Mais um passo na batalha da judicialização do setor – Safira Energia

Mais um passo na batalha da judicialização do setor

Decisão do TRF-1 de manter suspenso pagamento do ESS por geradores e comercializadoras é início para que especialistas chamam de limpar a área que trazem insegurança jurídica no mercado
A recente decisão do Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1) de ratificar a liminar que suspendia o pagamento, por geradoras e comercializadoras de energia elétrica, do Encargo de Serviços do Sistema (ESS) começa a limpar a área de problemas que geram insegurança jurídica no setor elétrico. O encargo era cobrado sempre que usinas termelétricas fossem acionadas fora da ordem de mérito
O ESS foi criado em março de 2013, por meio da Resolução nº 3, do CNPE, e teve o pagamento suspenso em maio do mesmo ano por liminar da Justiça Federal, que se manteve vigente até agora. A liminar atendia especificamente a uma ação da Associação Brasileira de Geração de Energia Limpa (Abragel) e da Associação dos Produtores Independentes de Energia Elétrica (Apine), mas o entendimento no setor é de que a decisão do TRF-1 se estenderá a todos os agentes alcançados pela resolução.
Na época da criação do EES, o governo estava empenhado em cumprir a promessa da então presidente Dilma Rousseff de reduzir a tarifa de energia elétrica para residências e indústria (a redução foi de 18% para residências e até 32% para indústrias) e a criação do encargo foi uma tentativa de dividir com os agentes os custos pelo acionamento excepcional, especialmente para garantir a segurança energética, das térmicas, cuja energia é mais cara. Em vez de receberem dos consumidores, as térmicas acionadas receberiam de geradores e comercializadores.
“Esse custo adicional não previsto não foi bem recebido e várias entidades se manifestaram contrárias. Agora, o horizonte começa a limpar um pouco, é uma judicialização que sai do foco”, avala Evelina Neves, gerente de Desenvolvimento de Mercado e Regulação da Thymos. Segundo ela, a Lei nº 13.360, de novembro de 2016, já modifica a regra do CNPE, definindo a cobrança do ESS diretamente aos consumidores a partir de abril de 2017. A decisão do TRF-1 incidirá, então, sobre o período de março de 2013 a março de 2017. Entretanto, diz, é possível que agentes que não estavam cobertos pela liminar da primeira instância e pagaram os encargos possam, agora, requerer a restituição.
Embora a decisão da Justiça sobre os ESS represente um avanço, Neves entende que o nó das pendências jurídicas do setor elétrico só será definitivamente desatado, estimulando mais ainda os investimentos, quando for resolvida a questão do risco hidrológico (GSF) e, mais à frente, a do regime de cotas. A pendência do GSF, calculada na casa dos R$ 7 bilhões, depende de outra solução judicial ou, como preferem os agentes, da aprovação do projeto de lei que tramita no Congresso Nacional.
“Do ponto de vista dos geradores e comercializadoras, essa decisão [sobre os ESS] deixa claro que os valores previstos nas negociações de compra e venda de energia não sofrerão nenhuma distorção e/ou mudança, garantindo o retorno esperado. Já para os consumidores, não existe grande mudança, pois os custos seriam repassados de qualquer maneira pelos geradores/comercializadores na forma de encargos”, observa Juliana Hornink, analista de Mercado da Safira Energia.
Para a analista, esse repasse direto poderia, inclusive, gerar algum tipo de sobrepreço. “Os geradores tenderiam a mitigar riscos, podendo cobrar algo adicional por conta do desconhecimento dos valores cobrados pela CCEE depois de 45 dias.”

Safira Energia

Safira Energia

Safira Energia há mais de dez anos. Dentro do universo complexo do Mercado Livre de Energia

Compartilhe