Programa mensal de Operação – Outubro

02/10/18

Seguem os principais pontos do Programa Mensal de Operação do mês de outubro:
– No ultimo dia do PMO de setembro, o Operador informou que solicitaria reunião extraordinário do CMSE com a finalidade de ter autorização para despachar térmica por fora da ordem do mérito, pois através de estudo, identificou que os reservatórios de cabeceira da região Sudeste poderiam chegar no final do ano com valores críticos abaixo de 10%. Diante dessa situação, o Comitê autorizou o despacho de térmicas para garantia da segurança do Sistema. Ao longo de setembro, o CMSE se reuniu semanalmente para avaliar a situação e durante todo o mês de setembro ocorreu despacho térmico fora do mérito no SIN de térmicas com CVU até R$ 766,28/MWh.

– Foi apresentado durante a reunião as premissas e o estudo que o Operador apresentou no CMSE. Nesse estudo foi utilizou cenários considerando a previsão atual de El Niño fraco para os próximos meses. A preocupação do Operador é em relação a situação que os reservatórios podem chegar para determinado comportamento das chuvas de hoje até o final do ano de 2019. Diante dos resultados, o Operador está acompanhando de forma cautelosa o comportamento das afluências nas principais bacias do Sudeste.

– Diante desse acompanhamento e dos resultados já obtidos nos reservatórios no Sudeste durante o mês de setembro, influenciado pelo despacho térmico fora do mérito em conjunto com a melhora das afluências na região Sul que possibilitou o aumento de recebimento de energia do Sudeste, os níveis de armazenamento do Sudeste ficaram 2,6% acima da curva de referência. Por consequência, o CMSE decidiu que durante a primeira semana operativa de outubro o despacho fora do mérito somente poderá ocorrer para térmicas com CVU até R$ 548,04/MWh.

– As chuvas durante o mês de setembro ficaram restritas a região Sul e as bacias mais ao sul da região Sudeste, Paraná e Paranapanema. Nas outras regiões o predomínio foi de anomalias negativas de precipitação. As chuvas do Sul ocorreram mais na primeira quinzena do mês e inclusive com registro de vertimento nas bacias do Uruguai e Jacuí. Dessa forma, como exposto durante o PMO, as boas afluências no Sul possibilitariam que o submercado enviasse energia para o Sudeste, essa operação aconteceu pela primeira vez no ano.

– Como a situação do Sistema está crítica, todos os esforços para aumentar disponibilidade de geração a custo mais barato foi feita durante o mês, uma delas foi o recebimento de energia por parte da Argentina, que na última semana começou a enviar montante de 600 MWmed a um custo mais em conta que as térmicas que estavam sendo despachadas fora do mérito. Essa operação com a Argentina continua sendo feita na primeira semana operativa de outubro.

– Como era esperado, o mês de setembro é a melhor época para geração eólica na região Nordeste, novamente o recorde foi quebrado com registro diário acima de 7.600 MWmed e a média mensal superior a 6.100 MWmed. Dessa forma a região Nordeste enviou para o Sistema montante médio mensal acima de 700 MWmed, maior do que o realizado de agosto, porém menor do que o verificado em setembro de 2017 que atingiu patamar superior a 1.000 MWmed. A região somente não enviou mais energia devido a temperatura elevada no Nordeste que aumentou a carga no submercado.

– O acompanhamento do reservatório da usina de Tucuruí continua abaixo da Curva de referência. No início de setembro as temperaturas registradas foram mais comportadas e a utilização do reservatório da usina foi menor, porém no final do mês o uso aumentou novamente para complementar o atendimento nas outras regiões. A diferencia é em torno de 8% menor do que o definido na curva de referência.

Deixe aqui o seu comentário