Programa Mensal de Operação | Dez/2019

02/12/19

Pontos de destaque do Programa Mensal de Operação de dezembro de 2019:
Em novembro as frentes frias foram frequentes e causaram chuvas moderadas e, a partir da segunda semana, avançou mais e impactou os submercados Sudeste e Nordeste, principalmente no litoral. Desta forma, apenas as bacias do Sul receberam chuvas acima da média e, consequentemente, foi o único submercado com vazão entre as melhores do histórico. Devido à condição inicial ruim e chuvas abaixo da média durante novembro, os submercados Sudeste, Nordeste e Norte seguem com as vazões entre as piores do histórico.
Novembro é um mês que as temperaturas são ainda mais altas que nos meses anteriores, condição verificada em grande parte do Sistema neste último mês. Apesar disto, a frequente passagem de frentes frias causou quedas recorrentes de temperatura e, consequentemente, de carga, que ficou abaixo do esperado no início do mês.
Devido à sazonalidade o Nordeste gerou menos energia proveniente da fonte eólica com relação aos meses anteriores, porém, como há maior capacidade instalada, o Nordeste seguiu com alta geração de eólica principalmente na primeira quinzena do mês, bem como a geração solar. Isto possibilitou a este submercado seguir como exportador de energia em novembro.
Por consequência do desempenho da geração eólica e solar no Nordeste e excesso de chuvas no submercado Sul, o balanço do Norte foi afetado, possibilitando manter o armazenamento da usina de Tucuruí acima da curva referencial do deplecionamento. Já no Sudeste, devido ao cenário crítico de chuvas, houve necessidade de uso dos reservatórios que ficou em torno de 5% abaixo do ano passado, padrão oposto ao observado nos meses anteriores.
Com relação ao Oceano Pacífico, ele segue com Temperaturas da Superfície do Mar (TSM) próximas à média em grande parte da região equatorial, portanto, segue sem configuração de El Niño. Além disto, a atmosfera está respondendo à neutralidade, ou seja, com padrão próximo à climatologia. As projeções indicam que até março há tendência da TSM seguir em neutralidade do Pacífico, consequentemente grande parte dos modelos mostram padrão de chuva mais próximos à climatologia.
O destaque da equipe de meteorologia foram as chuvas recorrentes que marcam o início do período úmido, mas que não foram capazes de suprir o volume médio mensal, mesmo com a ocorrência Zona de Convergência do Atlântico Sul durante o mês de novembro. Porém, a condição atual da atmosfera indica que as chuvas tendem a continuar ocorrendo durante dezembro, trazendo aumento contínuo de ENA principalmente nos submercados Norte, Nordeste e Sudeste no decorrer das próximas semanas.
O destaque na expansão térmica foi o atraso da UTE Porto Sergipe em um mês, prevista para março de 2020, e da UTE Termoirapé em 30 meses, prevista para janeiro de 2024, com maior diferença de 1771 MWmed.
O destaque da hidrologia vem em linha com o informado em outros PMOs, em que o Operador está modulando a geração hidráulica para definir a defluência de São Francisco, por causa da irregularidade da chuva no início do período úmido, porém com média fixa de 800 m³/s durante os próximos 2 meses. Além disto, a entrada comercial da UHE Belo Monte, UG18, foi oficializada e contribuirá com acréscimo de 611,11 MWmed no SIN.

Deixe aqui o seu comentário