Observatório Safira: Meteorologia

21/08/19

A previsão de tempo requer conhecimento de alguns fatores, como a superfície, cobertura vegetal e urbana, além de informações das condições atuais da atmosfera. Dados de temperatura do ar, pressão, umidade e vento, por exemplo, são determinantes para uma boa previsão, mas há outros fatores que também devem ser monitorados como a Temperatura da Superfície do Mar (TSM). Os oceanos ocupam cerca de 70% de toda superfície terrestre, então a interação da atmosfera com o oceano causa mudança nos padrões de vento, formação de furacões e favorece deslocamento de frentes frias.

Alguns fenômenos oceânicos são conhecidos e amplamente estudados, por alterar o padrão de pressão atmosférica, consequentemente nos ventos e precipitação. Dois exemplos são o El Niño Oscilação Sul (ENOS) e a Oscilação Decadal do Pacífico (ODP), que acontecem na região tropical do Pacífico, porém com periodicidade diferente. Enquanto o ENOS dura, em média, de 6 a 8 meses, a ODP tem a duração de 20 a 30 anos. Estes dois fenômenos são análogos e interagem entre si, durante a fase de ODP negativa (condição atual) temos maior tendência de La Niña intensa e duradoura, no caso do El Niño a expectativa é o oposto, menor duração e intensidade dos fenômenos.

O relatório mais recente da agência norte-americana NOAA (National Oceanic and Atmospheric Administration), referente a agosto, mostra neutralidade do fenômeno El Niño Oscilação Sul. As projeções para os próximos meses indicam tendência de que o Pacífico Equatorial continue com Temperaturas da Superfície do Mar (TSM) próximos da média histórica e, por consequência, sem influência do fenômeno no padrão de chuva do Brasil durante o verão. É importante ressaltar que o ENOS é declarado com base nas anomalias da região 3.4 do Pacífico (Central), já as variações do 1.2 (Leste) são usadas para classificar o fenômeno em Clássico ou Modoki.

Ambos fenômenos possuem impactos conhecidos nos padrões atmosféricos do Brasil, então é possível traçar um paralelo entre o projetado para ano atual e o observado nos anos anteriores. Com base nisto, analisando os últimos 15 anos, apenas 2012 e 2013 tiveram condição de neutralidade do ENOS durante todo o segundo semestre. Nestes anos, ocorreu atraso na entrada do período úmido, com anomalia negativa em grande parte do Sistema Interligado de agosto a outubro. Em novembro de 2012 voltaram a ser observadas chuvas mais regulares, mas que diminuíram no mês seguinte. Em 2013 o padrão foi o oposto, com chuva principalmente no Nordeste e Norte. Logo, como a neutralidade não tem um padrão definido, estamos monitorando regularmente as mudanças das anomalias de TSM do Pacífico, para identificar a definição de um padrão.

Deixe aqui o seu comentário