El Niño – Últimas Informações Sobre o Fenômeno

19/06/19

O El Niño é um fenômeno caracterizado pelo aquecimento de, ao menos, 0,5°C acima da média nas águas superficiais do Pacífico Equatorial Central (região 3.4), que impacta no regime de ventos e, consequentemente no regime de precipitação de várias partes do mundo, inclusive do Brasil. Quando a temperatura do Pacífico Leste (região 1.2) também está acima da média, o fenômeno é considerado clássico e favorece ainda mais as chuvas no submercado Sul. Já nos casos da região 1.2 estar abaixo da média, o fenômeno é denominado Modoki e não se tem um padrão de precipitação tão definido, podendo restringir as chuvas no Uruguai e Argentina.
No início de junho, uma frente fria causou chuva no Sul e avançou até o Sudeste, mas a região 1.2 começou a resfriar no mesmo período. Esta condição manteve as frentes frias “presas” no Uruguai e Argentina no decorrer de junho, impedindo o avanço delas no Sistema Interligado. Os poucos sistemas meteorológicos que conseguiram avançar foram mais litorâneos, o que penalizou a chuva no SIN, resultando em anomalia negativa de precipitação no submercado Sul e nas bacias do Paranapanema e Paraná, localizadas no Sudeste, e em consequente aumento de preço.
O panorama mais recente deste fenômeno aponta para manutenção das águas quentes na região 3.4 até o fim do inverno, com decréscimo progressivo das temperaturas, isto indica que devemos ter um verão de neutralidade, onde a TSM tende a ficar com valores próximos da média e sem impacto do El Niño nas chuvas. Os ventos estão com leve anomalia na intensidade e as águas mais profundas do Oceano Pacífico não dão suporte para manter o aquecimento da superfície até o fim do ano. Nas últimas medições tem-se notado aumento de temperatura no Pacífico Leste, que deve favorecer a entrada de sistemas frontais nas próximas semana no Sul e nas bacias do Paraná e Paranapanema (submercado Sudeste), com média intensidade. Porém, a expectativa é da anomalia de TSM no El Niño 1.2 voltar a ficar próxima de zero e das chuvas sem registrar desvios significativos ficando próxima da climatologia do mês de julho.

Deixe aqui o seu comentário